Select the Language

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Aruba, Curacao

Tudo começou em 1997. Primeira viagem internacional... Destino: Caribe!!!!

Muitos filmes na mala (nunca tinha ouvido falar em máquina digital), muitas expectativas na mente. Fomos eu e um amigo. Realmente não me recordo o mês da viagem...

Primeira lembrança marcante: O avião saindo da costa sul americana, mais precisamente pela Venezuela. Um litoral com águas meio escuras.... e passado algum tempo, o aviso:  'Tripulação, pouso autorizado". Olhares pela janela e o espanto: Aquele litoral de um azul indescritível que mais parecia terem jogado litros de aquarela no oceano! Sim, estávamos no mar do Caribe!





Litoral Venezuela


                           
Litoral Curaçao


No aeroporto uma surpresa: Após o caloroso BON BINI (que significa bem vindo na língua local), ficamos sabendo que nossas malas foram extraviadas. Nunca tinha ido a Nova Iorque, e para lá foram nossas malas... Mas eu estava em Curaçao, para que stressar? Fomos informados que o hotel nos daria objetos de higiene pessoal e umas camisas de malha. Ok, compraremos uma sunga e ficaremos assim até as malas voltarem. Voltaram após 2 dias. O evento pelo menos serviu para conhecermos 3 gaúchas que acabaram sendo nossas companhias até o final da viagem.

Vou me ater a falar de Curaçao, porque resolvemos ficar mais nesta ilha. A informação que tivemos era que Aruba era maior e já estava bem explorada pela indústria turística. Como estávamos buscando maior contato com a natureza resolvemos passar mais tempo em Curaçao. E foi a melhor escolha que fizemos. A informação se confirmou e achamos que Aruba realmente estava bem mais urbanizada e voltada para o turismo, com tudo que isso acarreta: mais sujeira, mais pegadinhas a turistas, mais trânsito, mais praias lotadas etc etc.

A capital de Curaçao chama-se Willenstad. A cidade é dividida por um canal em duas partes chamada Punda com seus edifícios de arquitetura holandesa e Otrabanda.  Curaçao é uma ilha que pertence à Holanda. Sua língua nativa é o papiamento (quase um dialeto), porém grande parte da população  fala o holandês, inglês e o espanhol. Naquela época, estavam recrutando brasileiros para darem aula de português para a população, já que a quantidade de brasucas estava aumentando muito por lá. Imagino agora como esteja..... Uma das vantagens da ilha é estar fora das rotas de furacões. Por lá não chove muito.

Esta foi uma das poucas viagens que comprei um pacote em uma agência. Geralmente faço tudo por conta própria. Por isto ficamos em um Resort com todas as mordomias incluídas. Tínhamos praia particular, área de lazer, 7 bares, 4 restaurantes, boates, karaokê, etc etc. Um luxo. Quando chegamos no quarto do hotel e vimos a tabela da diária atrás da porta, quase caímos para trás. Estávamos pagando uma barbada, por termos fechado o pacote. Mais um motivo para estarmos felizes. (o nome do hotel não me recordo, mas pesquisarei e posto aqui depois).  Ah, um detalhe: mesmo com 4 restaurantes, descobrimos um trailer de um pescador  que ficava ao lado do hotel, onde ele pescava a lagosta e outros frutos do mar diariamente e o preço era fantástico. Conclusão: almoçamos neste trailer todos os dias!!!

Na nossa primeira noite no hotel, combinamos com as gaúchas e fomos a um dos 7 bares, que ficava na areia. O barman que veio nos servir era um negro alto e forte que chamava muito a atenção. Nome: Michael. Bebida pra cá, bebida pra lá, uma das gaúchas acabou ficando com ele. Fomos descobrir que ele era nascido em Curaçao, porém morava em Nova Iorque porque era modelo da Calvin Klein. Fora das temporadas de lançamento de coleção ele voltava a Curaçao para ver a família e fazia uns "bicos" nos hotéis. Moral da história: Michael se tornou nosso guia turístico em Curaçao. Alugamos um carro e ele nos levou para conhecer todos os lugares desta paradisíaca ilha. Além de simpático e solícito ele também tinha um interesse: a gaúcha!!!

Curaçao é linda. Em 1997 suas praias eram bem conservadas e ainda longe da degradação humana. Um carro ou jipe é a melhor forma de conhecer a ilha que não é muito grande. Fizemos o famoso "city tour", onde  ficamos sabendo de algumas curiosidades, entre elas que a classe média possui uma renda bastante alta comparada com outros países. Que os telhados das casas são pintados anualmente, porque eles acham que isso atrai boa sorte. Que o único licor de curaçao legítimo (aquele azulzinho que conhecemos, mas que lá ele possui outras cores) é o que se toma lá, já que eles não exportavam a bebida. (Não sei se isso ainda ocorre hoje). Que os cassinos são os melhores lugares para se tomar um drink de graça (eles estão interessados no seu dinheiro gasto no jogo, logo é uma forma de atrair visitantes para jogar). Que Curaçao é uma zona franca e portanto um excelente lugar para se comprar. Comentei acima que nunca tinha ouvido falar em máquina digital, porém foi nessa viagem que coloquei na mão a primeira. Uma das gaúchas era fotógrafa e aproveitou a zona franca para comprar uma... Fiquei maravilhado e sem acreditar naquela tecnologia. Como é engraçado lembrar disto...
                                            


  Willenstad


As praias são as maiores atrações de Curaçao. Cada uma que se chega é quase inevitável a emissão de um som do tipo óóóóóó, para expressar tamanha admiração com a paisagem. Kenepa, Kas Abou, e Kalki foram minhas preferidas.  Top less para as mulheres por lá é normal apesar de não ser legal. Poucas são aquelas que não aderem. O sol se pôr no mar diariamente é um espetáculo à parte, principalmente quando se está em boa companhia e experimentando um dos vários drinks exóticos e coloridos que esta ilha oferece.

                                       
Kenepa

                                               
Kenepa
                                         
                                       


Um programa imperdível em Curaçao é mergulhar com cilindro. Voce é instruído no próprio barco sobre os procedimentos e faz seu mergulho. A água é tão cristalina que a visibilidade é incrível. Optamos por fazer um mergulho para alimentar tubarões (que obviamente estava separado de nós por um vidro), Foi uma experiência incrível. No meio do mergulho uma arraia de mais de 2m de envergadura passa na minha frente e posso tocá-la da cabeça à cauda. Inacreditável!!!








Compras também são inevitáveis por lá. O mercado público é muito legal (aliás sempre que faço uma viagem tento ir ao mercado público da cidade. É sempre surpreendente), nele voce encontra de tudo. O centro comercial da cidade também vale a pena. Encontra-se de tudo e com bons preços.

A música caribenha é muito peculiar e animada e nesta ilha o que não falta são lugares para ouvir e dançar esse típico estilo. Após já estarmos enturmado com algumas pessoas da excursão, reunimos uma turma e fomos a um destes lugares. Nós como bons brasileiros e cheios de swing, fomos logos sendo os mais requisitados por desengonçados americanos, canadenses, alemães e holandeses para dançar. Final da noite com pernas doendo mas de bem com a vida e uns quilinhos a menos...



Site legal para consultas:
http://www.curacao.com/pt

Nenhum comentário:

Postar um comentário