Select the Language

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Cidade do México, Puebla, Cancún e Yucatán

Na viagem que fiz ao Canadá em 2006, conheci uma Mexicana chamada Polina que falava com tanto entusiasmo de seu país que me despertou o interesse de conhecê-lo. Estava decidido que iria para a capital do país (Cidade do México), e comecei a pesquisar outros roteiros. Cancún com suas praias cristalinas também era um destino que me interessava: nada mal curtir alguns dias no Mar do Caribe. Estudando um pouco mais, descobri que Cancún estava localizada na Península de Yucatán, um reduto da civilização Maia. Existem vários sítios arqueológicos na Península de Yucatán, entre eles a cidade de Chichén Itzá, que foi nomeada uma das 7 maravilhas do mundo moderno! Fiquei extremamente curioso com a possibilidade de conhecer essa região e foi esse o roteiro escolhido: Cidade do México (com uma esticada para Puebla que mais abaixo explico o porquê), Cancún e Yucatán (Chichén Itzá).

De São Paulo à cidade do México existem voos diretos. Para Cancún tem-se obrigatoriamente que fazer escala na Cidade do México. Nós brasileiros precisamos de visto para entrar no país e a grande dificuldade é que temos que ir pessoalmente à embaixada Mexicana no Rio de Janeiro. Não aceitam que seja feito por despachante.

Existe uma comunidade mundial de pessoas que recebem hóspedes em sua casa sem cobrar nada por isso. Faço parte desta comunidade e já recebi alguns gringos e brasileiros de outros estados em minha casa, mas nunca tinha feito o caminho inverso: ser hospedado por alguém. Enviei uma solicitação de hospedagem que foi respondida por um cara chamado Roberto. Apesar de já ter pago o hotel resolvi viver essa experiência e ficar hospedado em sua casa. Deixei o hotel em stand by, caso algo desse errado, mas não precisei nem de perto utilizá-lo. Meu anfitrião era um cara fenomenal. Escrevia artigos para uma revista científica da Cidade do México e era um cara super culto. Me deu um banho de informações sobre a história de seu país, e como tinha um horário bem flexível pode me acompanhar em vários locais. Acredito que sem o auxílio do Roberto não teria assimilado nem um décimo da cultura Mexicana que acumulei. Falo acima que no roteiro acrescentei  a cidade de Puebla de última hora porque Roberto quis mostrar a cidade que deu origem ao famoso "mole" que é um tempero mexicano feito com mais de 20 especiarias (entre elas o chocolate) e é muito apreciado pela população. Fomos a Puebla provar o típico "Frango com Mole" (não confundir com guacamole que é feito com abacate) e tive a oportunidade de conhecer essa linda cidade que tem uma história incrível. Recomendo quem um dia for à Cidade do México que dê um pulo em Puebla para passar um dia.

Antes de viajar, entrei em contato com meu amigo Javier (aquele que havia conhecido no Canadá), já que ele havia voltado a morar no México (mais precisamente na cidade de Monterrey) avisando que iria visitar seu país. Mais do que depressa ele disse que iria para a Cidade do México passar uns dias comigo. A princípio ficaria em um hotel, mas o Roberto e sua incrível gentileza convidou o Javier para ficar na sua casa conosco. Foi muito legal, porque além de reviver nossas aventuras por Toronto, Javier também foi uma ótima companhia na cidade!

CIDADE DO MÉXICO 


Com uma população de aproximadamente 8,7 milhões de habitantes, a Cidade do México é uma megalópole com todas as vantagens e desvantagens que este título lhe confere. Possui problemas de segurança, de transporte de habitação e vários outros como outras grandes cidades, porém é divertida, colorida, cheia de contrastes e possui uma das histórias mais fantásticas das Américas além de conservar boa parte das ruínas que contam essa história tão rica.
Meu balanço final desta viagem à Cidade do México é totalmente positiva e não houve nenhum incidente que comprometesse a satisfação que foi conhece-la.
Cheguei no aeroporto da Cidade do México por volta das 06:00hs da manhã, e apesar de tão cedo peguei um táxi direto para a casa do Roberto. O táxi é o melhor meio de locomoção na cidade e não é tão caro. Encontrei o Roberto ainda dormindo, mas ele me recebeu com sua peculiar gentileza mesmo assim. Deixei minhas coisas em sua casa e fui dar uma volta para "reconhecer o terreno". Sua casa ficava em um bairro conhecido como "zona rosa", que é muito bem localizado e onde está concentrada uma parte da vida noturna da cidade. A outra parte, e um pouco mais sofisticada, em outros dois bairros que são Polanco e Condesa. Falo mais abaixo sobre eles.
A Zona Rosa é atravessada pelo Paseo de La Reforma, uma avenida muito importante da cidade e que cruza duas das principais linhas de metrô da cidade, além de abrigar bancos, lojas, restaurantes e outras conveniências. Ficar hospedado nesta região facilita muito a vida do turista.

Paseo de la Reforma

Anjo da Independência 



No primeiro dia fui conhecer o centro histórico da Cidade do México, onde está localizada a gigantesca Praça da Constituição, mais conhecida como Zócalo. Esta, que é uma das maiores praças do mundo, abriga a imponente Catedral Metropolitana que foi construída sobre um templo asteca e o Sítio Arqueológico do Templo Mayor, que é uma jóia incrustrada bem no centro da cidade. Vale muito a pena dedicar uma boa parte do tempo para caminhar pelo Sítio do Templo Mayor para já começar a entender um pouco desta rica cultura mexicana. O valor da entrada era de 57 pesos. Minha dica é depois de conhecer o Sítio, subir em um terraço de um restaurante que fica no Zócalo para uma visão geral do local e esperar o anoitecer tomando um drink para relaxar! Quando fui, estava acontecendo uma feira de livros no Zócalo, por isso as fotos abaixo possuem barracas. 

Catedral

Edifícios em torno do Zócalo


   
Zócalo ao entardecer


  
Ruinas dentro do Templo Mayor



   
Ruinas dentro do Templo Mayor

Dentro Sítio Templo Mayor

Dentro Sítio Templo Mayor


Filme feito do Zócalo a partir do restaurante

À frente do Templo Mayor, ficam alguns "índios" fazendo algumas apresentações de danças típicas e um ritual de "purificação". É possível pagá-los para ser "purificado". Para os crédulos pode ser uma boa oportunidade de limpar a alma!

Ritual de Purificação

Ainda no Zócalo, encontra-se o Palácio Nacional. A parte externa é aberta a visitação e possui um mural incrível, pintado por Diego Rivera, que foi casado com Frida Khalo. Não deixe de visitar.

Em pouco tempo de caminhada é possível chegar ao Palácio de Belas Artes! Construído em 1934, esse marco arquitetônico no estilo Art Nouveau possui enormes cúpulas e colunas de mármores. Além de admirar este belo edifício é possivel assistir apresentação de óperas, ballets, músicas clássicas e exposições de arte. 

Palácio Bellas Artes

Palácio Bellas Artes

Todas as atrações acima, são possíveis visitar em um dia. Será um dia cansativo, mas é possível. A quantidade de dias que se tem para esta viagem faz toda diferença em como traçar o roteiro. Eu como tinha 5 dias os dividi da forma que colocarei neste post. Caso tenha mais ou menos dias, será necessário ajustar esse roteiro.

O segundo dia foi dedicado a conhecer o Museu Nacional de Antropologia e o Parque Chapultepec. A partir deste dia, meu amigo Javier que mora em Monterrey, ao norte do Mexico, já irá me acompanhar. Ele chegou pela manhã na cidade e ficará os ultimos 3 dias comigo. 

O Museu Nacional de Antropologia é um dos mais completos e organizados museus que já visitei pelo mundo. O acervo é incrível e realmente é o momento de se mergulhar na instigante cultura mexicana. Está localizado no mesmo Paseo de la Reforma e ao lado oposto desta avenida está o Parque Chapultepec. O custo para entrar no Museu era de 57 pesos. 


Museu Nacional de Antropologia

Museu Nacional de Antropologia

Museu Nacional de Antropologia

Museu Nacional de Antropologia

Museu Nacional de Antropologia

Museu Nacional de Antropologia

Após o Museu Nacional de Antropologia, atravesse o Paseo de la Reforma até o Parque Chapultepec. O local é lindo, bem cuidado, possui dois lagos, um zoológico e um museu de arte moderna. Mas a atração mais interessante é o Castillo de Chapultepec. O castelo é um museu que além de imponente arquitetonicamente, abriga uma vasta coleção de pintura, fotografias, documentos e objetos que contam a história do país. 

Entrada Parque Chapultepec

Eu e Javier em Parque Chapultepec

Parque Chapultepec

Parte Castillo Chapultepec


Castillo Chapultepec
O Museu Nacional e o Parque de Chapultepec com suas atrações foram suficientes para tomar todo o dia. Resolvemos ir para casa descansar porque era um sábado e queríamos conhecer a noite da cidade. 

Depois de descansar, tomamos um banho e fomos a uma boate na região da zona rosa. Os mexicanos gostam muito de uma balada! São muito divertidas, regadas a muita tequila e sem hora para acabar! Conhecemos uma turma entre eles dois brasileiros e a noite só acabou quando o sol raiou. E o pior é que o outro dia seria pesado, porque foi o dia que separamos para conhecer as Pirâmides de Teotihuacán. 

Resumo da empreitada: dormimos menos de 3 horas e no outro dia estávamos de pé cedo, com a pior ressaca do mundo, mas animados para conhecer esse fabuloso local conhecido como Zona Arqueológica de Teotihuacán. Fomos até a rodoviária da cidade e compramos uma passagem até o local. Recomento encontrar alguma agência de viagens que faça esse passeio, porque o ônibus para a cada esquina e é um entra e sai de gente que tira o bom humor de qualquer pessoa. 

Bom, a Zona Arqueológica de Teotihuacán possui nada mais nada menos que uns 270 hectares e é um lugar mágico! Teotihuacán, significa "A Cidade dos Deuses" e sua história data de 600 a.C. As pirâmides estão super preservadas e as duas principais são as Do Sol e a Da Lua, além do templo de Quetzalcoatl que estão todos alinhados na extensão de uma grande avenida de mais de dois quilômetros chamada "The Street of  Deads".  Eu estava fazendo esta viagem no mês de agosto, e estava um calor infernal! Aconselho levarem água, protetor solar e um boné além de roupas frescas. Esse é um dos passeios mais incríveis que já fiz e todo sacrifício do calor e da ressaca ficaram em segundo plano, diante de tanta beleza!

Teotihuacán

Teotihuacán

Pirâmide do Sol

Pirâmide da Lua vista de cima da Pirâmide do Sol

Teotihuacán
No dia seguinte, iria a convite do Roberto conhecer a cidade de Puela, há mais ou menos duas horas da Cidade do México, mas faltava ainda conhecer o Museu Frida Kahlo, que é exatamente na casa onde ela morou. Por isso acordei muito cedo, peguei um táxi e fiz uma visita relâmpago ao museu.  Para eu que já conhecia a história desta famosa artista a visita foi corrida mas o suficiente para mergulhar ainda mais no local que ela passou parte de sua vida e conhecer um pouco mais os detalhes de sua história. 


Museu Frida Kahlo

Museu Frida Kahlo

Museu Frida Kahlo

Museu Frida Kahlo

Cama onde Frida fez um auto retrato


Museu Frida Kahlo


Depois da visita ao Museu Frida Kahlo, peguei um táxi até a rodoviária para encontrar com o Roberto e irmos visitar  Puebla. Além de conhecer a cidade ele queria que eu provasse o legítimo "mole", que é uma espécie de molho feito com umas 20 especiarias, e Puebla era famosa por manter a tradição de fazer a receita original. 


PUEBLA

Confesso que inicialmente fiquei um pouco desanimado com a visita a Puebla, já que estava adorando a Cidade do México e tinho certeza que se ficasse mais uns 4 dias por lá, descobriria mais coisas interessantes. Esse desanimo passou assim que cheguei na cidade. Sua arquitetura é lindíssima, possui vários restaurantes charmosíssimos, o turismo é bem moderado e por isso você consegue visitar as atrações sem multidão, além desta linda cidade abrigar a igreja com mais ouro do mundo!
A melhor palavra para descrever o que é entrar na Capela do Rosário é: hipinotizante!. Isso mesmo. Por fora você não dá nada para a capela, mas quando entra, é uma quantidade de ouro tão grande que ficamos boquiabertos imediatamente. Infelizmente as fotos não irão reproduzir com fidelidade o que é esta capela, mas ainda sim as postarei. Além da Capela do Rosário, a Catedral de Puebla também impressiona. Não pelo interior que é um pouco mais simples, mas pelo tamanho que possui. O "mole" que foi o motivo que nos fez viajar até Puebla é de um sabor e uma textura que nunca provei e acho que nunca provarei algo tão delicioso. Impossível explicar com o quê se parece, portanto só provando mesmo para entender. O Mercado de la Vitória é outra atração imperdível em Puebla. Para quem, como eu, acha que para se conhecer uma cidade e sua cultura é importante uma visita ao mercado central bem como circular pelo centro, a visita a este mercado só comprova minha teoria!  Segue algumas imagens de Puebla.
















Mole


Mole






Catedral


Catedral







Mercado La Vitoria



Mercado La Vitoria

Capela do Rosário

Capela do Rosário

Capela do Rosário


Capela do Rosário


Capela do Rosário





















Depois de 5  dias visitando a cidade do México, que para mim foi surpreendentemente fantástica, estava na hora de fazer as malas para viajar a Cancún. Meu voo saía as 08:30 do dia seguinte e precisava dormir cedo. Próxima parada: as águas cristalinas do mar do Caribe!!!

CANCÚN

EM CONSTRUÇÃO


Nenhum comentário:

Postar um comentário