Select the Language

domingo, 13 de novembro de 2016

Praga, Berlim, Amsterdam, Bruxelas

Depois de algum tempo viajando para outros destinos, enfim estou de volta ao velho mundo! A Europa é sempre um excelente destino a ser visitado e desta vez fui acompanhado por uma amiga que, de última hora, topou encarar essa viagem comigo. O roteiro desta viagem foi a capital da Republica Tcheca, Praga, depois indo para as capitais da Alemanha, Holanda e Bélgica (Berlim, Amsterdam e Bruxelas respectivamente). Como a passagem mais barata para a Europa na data da minha compra era para Paris, fomos de TAM para essa cidade e os trechos internos para as outras compramos separadamente  (alguns de avião outros de trem). 

PRAGA

Cheguei em Praga com as expectativas nas alturas, já que as pessoas que conheço e já estiveram na cidade não poupavam elogios para ela, mas logo no desembarque tive uma frustração enorme. Minha bagagem havia sido extraviada. Como de praxe fui ao balcão da Air France (empresa que comprei o trecho Paris-Praga) e comuniquei o extravio. O atendente foi bastante solícito e disse que anotaria meus dados e faria um rastreamento para tentar localizar minha mala, e quando tivesse alguma notícia entraria em contato. Pela primeira vez, nesta minha hospedagem em Praga, fiz o uso do site Airbnb e aluguei um apartamento na cidade. Como já estava em contato com a proprietária, dei o telefone dela para o atendente para qualquer novidade sobre minha bagagem. A República Tcheca utiliza a Coroa Tcheca como moeda e por isso trocamos nossos Euros no aeroporto, coisa que não aconselho a ninguém fazer. A cotação é péssima e ainda cobram uma comissão fixa que outras casas de cambio no centro não cobram. Por 22 euros havíamos reservado um transfer para nos levar do aeroporto ao centro, já que chegaríamos um pouco tarde. No trajeto aeroporto-casa, contei o caso do extravio ao motorista que me disse que eles acontecem com frequência e em 99% dos casos envolvem uma bagagem saída do aeroporto Charles de Gaulle pela Air France. Como não havia mais nada a ser feito resolvi relaxar e torcer para que encontrassem minha mala o mais rápido possível. Quando estávamos nos aproximando da cidade (de carro foram aproximadamente 20 a 25 minutos) toda frustração que havia temporariamente tomado conta de mim, foi dando lugar a um sentimento de euforia por tudo aquilo que meus olhos estavam vendo. Sim, Praga é tudo isto que haviam me dito mesmo! A cidade é de uma beleza sem tamanho! Mal podia esperar para explorá-la no dia seguinte, porém, antes mesmo de ir para casa descansar, resolvemos sair para comer e tomar um drink. Era um sábado e as ruas estavam agitadas, porém a maioria dos restaurantes só servia bebida, pois a cozinha já estava encerrada. Encontramos um, onde conseguimos comer um sanduíche e tomar uns Mojitos. Na parte subterrânea deste bar funcionava uma boate e estava lotada, mas o cansaço não nos deu opção a não ser ir para casa descansar...

Primeiro drink em Praga


Acordamos na manhã seguinte e fomos direto conhecer a Old Town Square, que é a praça central da cidade localizada no bairro Staré Mesto (Cidade Velha). O apartamento que fiquei hospedado ficava no bairro de Malá Strana e para chegar a Staré Mesto eu tinha que atravessar a ponte sobre o Rio Moldava, rio este que corta a cidade de Praga (vale pontuar que estava com a mesma roupa do dia anterior....)


Old Town Square

Catedral Old Town Square






Essa é a praça central da cidade e onde se concentram a maioria dos turistas. Vários restaurantes circundam a praça e sem dúvida é muito agradável sentar em um deles no final de tarde para observar o movimento de ir e vir das pessoas. Não foi o nosso caso no momento. Tínhamos que explorar a cidade. Antes de andar por suas ruas paramos em frente ao famoso relógio astronômico, que também fica nesta praça. O relógio atrai a atenção de todos por sua beleza, por sua idade (foi construído em 1410) e pelo que ele representa. Este relógio, que é o único que resta no mundo, além de marcar as horas, mostra o momento que irá anoitecer e amanhecer, as fases da lua e em qual posição está o Sol em relação aos signos do zodíaco. Outra atração é que a cada hora cheia as duas portinholas acima do relógio se abrem e as figuras dos apóstolos rapidamente dão o ar da graça do lado de fora. Também é permitido subir na torre do relógio e eu super recomendo. O valor é de 120 coroas e se tem uma bela visão  de 360º da cidade.



Relógio Astronômico



Elevador para subir na torre



Vista do alto da torre


Vista do alto da torre


Vista do alto da torre



Eu e minha amiga Mariangela no alto da torre


Saindo da Old Town Square, resolvemos caminhar pelas ruas da cidade para chegar a um centro comercial. Eu precisava comprar algumas peças de roupas para poder usar até que minha mala chegasse. Os quarteirões de Praga são muito assimétricos e se perder por suas ruelas é uma delícia. Várias lojas, cafés, bistros, restaurantes se espalham pela cidade tornando o passeio mais agradável. O sistema de transporte público de Praga é bastante eficiente. Os Trams, que são bondes que cruzam a cidade são bem práticos. Você pode comprar bilhetes que valem por algumas horas, dias ou mês. Os bilhetes dão direito a viagens ilimitadas e ainda fazem integração com ônibus. Algumas paradas dos trams possuem um terminal onde é possível comprar os bilhetes.
O destino era a Praça Venceslau, que é um dos locais mais movimentados e visitados da cidade. Várias lojas de departamento famosas como H&M, Zara, Pool and Bear e até C&A estão nesta região. Era o local certo para fazer umas compras.
Antes de chegar à Praça Venceslau, nos deparamos com a Passagem Lucerna que é uma das várias galerias comerciais de Praga que ligam diversas ruas. Em estilo Art Decó a galeria possui  um teatro, cafés, algumas lojas e uma escultura do famoso artista Tcheco David Cerny. O que chama atenção nesta escultura é que São Venceslau está montado em um cavalo de cabeça para baixo. Várias esculturas de David Cerny estão espalhadas pela cidade de Praga. Aqui coloco algumas que me chamaram a atenção:


















Seguindo da Passagem Lucena chegamos à Praça Venceslau, que na verdade não é uma praça e sim um grande Boulevard com várias lojas, hotéis, restaurantes e onde fica localizado o Museu Nacional. Esta região é chamada Nové Mesto, ou cidade nova. A fachada do Museu Nacional estava em reforma e como já era final de tarde resolvemos não entrar para conhece-lo. Li vários posts falando super bem do museu, por isso devo dizer que não foi a melhor opção não entrarmos para conhecer



Praça Venceslau




Praça Venceslau


Fachada do Museu Nacional

Em Praga você irá encontrar várias barraquinhas com o nome Trollo. É uma espécie de pão enrolado e eles colocam vários recheios (sorvete, chantilly, frutas, etc). Também é possível come-lo puro. Como toda experiência é válida, sugiro que provem. Minha amiga comprou e não gostou tanto. Já eu como gosto de todo tipo de doce, adorei!!!





Depois de conhecer essa região da Cidade Nova resolvemos caminhar até a estação central de trem para comprarmos os tickets para Berlim. Aqui vale falar que embarcar de trem em Praga é ligeiramente confuso (pra pegar bem leve). Primeiro porque a sinalização é bem precária e as poucas que tem estão em Tcheco. Pouca coisa ou quase nada está em Inglês. Segundo é que a plataforma de embarque só é definida uns 20 minutos antes da partida. Isso faz com que todo mundo fique em pé de frente a duas telas de lcd esperando a informação de qual plataforma ir. Assim que aparece na tela, sai todo mundo correndo... O terceiro ponto é que nem sempre o destino que você irá, aparecerá na tela. Isso porque o trem "se divide" no meio de percurso. Isso mesmo, o vagão que você está pode ir para uma direção enquanto o(s) outro(s) pode(m) ir para outra. A dica aqui é ficar atendo ao número e horário do trem. Independentemente do destino que aparece na tela embarque no trem que tem o numero que está no seu bilhete. 

Comprados os bilhetes e pegamos um TRAM até o bairro Josefov, reduto Judeu que teve sua população reduzida após a II Guerra mas ainda é chamado de bairro Judeu. Possui sinagogas com traços góticos uma datada do seculo XIII, considerada a mais antiga em funcionamento na Europa. . 


Fachada Sinagoga



Interior Sinagoga


Ainda no bairro Judeu, bem próximo à cidade velha está o Teatro Municipal. Belo Edifício que tem apresentações de óperas diariamente. Aliás, Praga é o lugar ideal para assistir um conserto, uma ópera ou mesmo uma peça de teatro. São várias opções por dia e hoje me arrependo imensamente de não ter assistido uma. Depois de um dia longo e de muita caminhada era a hora de tomar uma cerveja Tcheca e almoçar-jantar....


Teatro Municipal




Almoço/Janta



No final do dia, recebi uma mensagem pelo whatsapp da proprietária do apartamento que aluguei, dizendo que encontraram minha mala e que me entregariam entre 20:00 e 23:00 hs. Moral da História: corri para casa para ficar de plantão e receber minha mala. É claro que entregaram faltando poucos minutos para as 23:00 hs...

No dia seguinte, bem mais relaxado por ter recuperado minhas coisas, resolvemos conhecer o Castelo de Praga. Ele fica do outro lado do rio Moldava, na mesma região do meu apartamento. Existem duas formas de chegar: a primeira é caminhando, que eu sempre prefiro e a segunda é pegando o TRAM de número 12. Fomos caminhando mas erramos o caminho e por isso levamos quase 35 minutos para chegar, mas normalmente é uma caminhada de uns 15 a 20 minutos. O ruim é que é subida, mas se for bem cedinho (que é o recomendado) o sol ainda está fraco e é uma caminhada bem agradável. Falo isso porque nossa viagem foi no inicio do outono (setembro) e a temperatura ainda estava alta. 
O Castelo de Praga é visto de quase todos os pontos da cidade e na verdade não é um castelo em si. É um complexo de vários edifícios históricos e um deles é a Catedral de São Vito que de tão grande, imponente e linda herdou o nome de Castelo. Chegamos à porta do complexo bem no momento onde estava acontecendo a troca de guarda. Ela acontece a cada uma hora, mas é uma cerimonia bem simples comparada com outras como a de Londres e a de Atenas. Dizem que a do meio dia é mais pomposa, mas não posso confirmar porque não vi.




Catedral de São Vito


Parte de trás da Catedral

Entrar dentro do complexo é gratuito, mas para acessar a maioria dos edifícios é preciso adquirir um ticket. Existem 3 tipos de tíckets com 3 circuitos diferentes: um menor, um médio e um grande. Na minha opinião o menor circuito é o suficiente já que contempla os edifícios mais importantes. Os outros dois circuitos são para quem está disposto a dedicar mais tempo no castelo. Gastamos a manhã inteira e o início da tarde, mas é  possível passar um dia inteiro no local. A Catedral de San Vito é sem dúvida a atração mais imponente do complexo. Nela também pode-se entrar gratuitamente, mas se quiser explorá-la por completo, tendo acesso a seus diversos altares, é preciso ter adquirido o ticket. A Catedral tem um estilo gótico, com um pé direito altissimo e belos vitrais. Também é possível subir em sua torre, porém essa façanha é para quem está com o condicionamento físico em dia. São mais de 400 degraus em caracol. É bem cansativo mas a recompensa da vista de cima vale muito o esforço!



Interior da Catedral




Vitral




Vitrais 




Um dos altares




Vista do alto da torre





Outro edifício que chama atenção é o local onde a corte realizava os eventos. O salão é enorme e o teto uma obra de arte. Inevitável estar nesse local e imaginar como eram as festas naquela época e o que acontecia pelos corredores....





Salão dos Eventos

Mais ao fundo do complexo está a Golden Lane, que é uma espécie de rua onde, naquela época, habitavam os trabalhadores dos castelo. São casinhas coloridas, construídas uma ao lado da outra. O famoso escritor Franz Kafka habitou por dois anos a casa de número 22, que hoje se tornou uma loja de livros. 





No início da tarde já estávamos um pouco cansados, e por isso minha amiga resolveu voltar ao hotel para descansar. A uma curta caminhada do castelo estava o Monte Petrin, que além de ter uma das mais belas vistas de Praga, era onde estava a Torre Petrin, que, inspirada na Torre Eiffel de Paris, foi construída em 1891 para ser uma torre de observação e transmissão. A caminhada além de curta era muito agradável, pois era dentro do parque que leva o mesmo nome do monte. Também é possível chegar ao alto do monte por um Funicular que sai a cada 15 minutos. A torre Petrin tem 63,5 metros e 299 degraus para chegar ao seu topo. Como eu já havia subido mais de 400 degraus para chegar ao topo da torre da Catedral de San Vito, não animei a subir a torre (também tem que pagar para subir), então preferi observa-la debaixo mesmo. Logo ao lado da torre tem uma casa que é um labirinto de espelhos. Provavelmente as crianças se divertirão mais e acharão mais interessante, mas não é de todo sem graça.


Torre Petrin






Labirinto de espelhos



Já para descer do Morro Petrin, optei pelo Funicular. O ticket é o mesmo usado nos outros tipos de transporte urbano como o TRAM e o Onibus e pode ser comprado na própria estação. Em menos de 10 minutos já estava de volta ao coração de Malá Strana e aproveitei para conhecer melhor o bairro. Com várias opções de bares, restaurantes, lojas e hotéis, a região é também bastante movimentada e a arquitetura já é mais contemporânea. Sabia que era em Malá Strana que estava o museu de Franz Kafka e, como já era final de tarde, apertei o passo para tentar entrar no museu que ficava na rua paralela ao leito do rio Moldava, ha apenas um quarteirão. Infelizmente não cheguei a tempo e me contentei apenas em ver mais uma das esculturas de David Cerny.



Fachada Museu Franz Kafka


video




Depois dessa longa jornada ainda restava conhecer a famosa Ponte Carlos. Fui ao hotel buscar minha amiga para que pudéssemos comer e visitar mais esse ponto turístico da cidade. Construída por ordem do Rei Carlos IV a ponte que leva seu nome é um dos pontos turísticos mais conhecidos de Praga. Possui 15 belíssimas esculturas de cada lado feitas por diversos artistas e é a primeira edificação que resistiu às constantes inundações que ocorriam na época. Como a ponte é tomada por turistas e vendedores ambulantes o melhor horário para explorá-la é bem no início da manhã, mas independentemente do horário, atravessá-la e apreciar sua beleza é um programa obrigatório. Particularmente eu acho que a melhor da ponte é estando em uma outra...


Estátua na Ponte Carlos



Torre no inicio da ponte




Ponte Carlos






Aproveitamos que estávamos no Rio Moldava e reservamos um passeio de barco. Existem vários tipos de embarcações que fazem rotas distintas e valores distintos. Optamos por um barco maior e uma rota mais comercial, mesmo porque iria escurecer em breve. O passeio é bem agradável e ter o feito no final do dia foi ótimo, já que o sol estava mais fraco e por isso o clima mais ameno...



Barco que navegamos





Vista do Castelo de Praga do Rio Moldava





No último dia tínhamos apenas a manhã disponível. Fizemos o check out, deixamos um taxista agendado para nos levar à estação de trem e dedicamos o dia para caminhar no leito do Rio Moldava na direção sul, região que ainda não havíamos ido. Essa parte da cidade possui alguns edifícios com uma arquitetura mais moderna e destaco o famoso "Prédio Dançante". Também conhecidos por "Fred & Ginger" esse prédio foi inspirado em uma dança do casal Fred Astaire e Ginger Rogers e seus arquitetos foram o americano Frank Gehry, que também projetou o museu Guggenheim e o Tcheco Vlado Milunic. 
A região além de prédios modernos como o Prédio Dançante, abriga obras primas da arquitetura como o Teatro Nacional. Várias esculturas complementam a beleza desse passeio...

Prédio Dançante





Teatro Nacional









É inevitável não associar Praga e a República Tcheca em geral a alguns costumes e tradições como:
* A indústria de vidros e cristais
* A tradição dos fantoches
* O consumo de Absinto.





Loja de Fantoches



Absinteria




Fabricação de Vidro

A sensação que tivemos foi que poderíamos ter ficado mais alguns dias em Praga e que ainda nos faltaria coisas para conhecer. O bom disso tudo é que ficou um gostinho de quero mais desta cidade que, além de encantadora, é uma das mais baratas comparadas com outras do continente europeu. Praga definitivamente entrou para minha lista das Top Five em companhia com Tunis, Bangkok, Barcelona e Mykonos.


BERLIM

Apesar do transporte público de Praga sem bem eficiente, optamos por pegar um táxi no hotel para nos levar até à estação de trem. Chegamos com uma boa antecedência porque, como já disse acima, as estações são bem confusas e como bom mineiro, não queria "perder o trem". O fato é que de nada adianta esta antecedência, já que a plataforma de embarque só é avisada mesmo 20 minutos antes da partida como também já mencionei. O trem é bastante confortável e a viagem muito tranquila. Um fato curioso é que enquanto estávamos no território Tcheco, tínhamos acesso ao wifi no trem e é só cruzar a fronteira com a Alemanha que ele não fica mais disponível... 
Chegamos a Berlim já era noite e fomos até o hotel de transporte público, que como em toda cidade européia funciona muito bem. Em Berlim, o transporte público é dividido basicamente em dois sistemas: o "S" também chamado de S-Bahn, que a grande maioria é de superfície e o sistema"U", também chamado de U-Bahn que são os metrôs subterrâneos propriamente dito, os ônibus e os trams que são espécies de bondinhos. Na saída da estação de trem, atravessar a rua e pegar na estação logo à frente o S (que se não me engano é o 7). Chegando mais ao centro, troca-se pelo U correspondente ao local que você estiver hospedado. As próprias estações possuem máquinas para comprar os tickets, portanto sugiro que na primeira você já compre o seu, e se for ficar mais tempo compre o passe de 7 dias. Assim você não precisa mais se preocupar com esse detalhe. O transporte público é dividido em 3 áreas (A, B e C), mas a maioria das atrações da cidade ficam na área A. Sendo assim, é melhor comprar o passe para a zona A e caso você vá visitar alguma atração fora dessa área, compre apenas o complemento. Você não precisa validar o ticket em lugar nenhum quando entra na estação, mas já aviso aos espertinhos de plantão: há fiscalização dentro dos trens SIM, e nosso trem foi uma vez  justo no dia que eu tinha esquecido meu ticket em cima do criado do hotel. Dei sorte e quando o fiscal estava se aproximando o trem parou em uma estação que consegui descer antes de nos abordar. Voltamos para o hotel, peguei meu ticket e nunca mais o larguei. 
Ficamos hospedados em um dos hotéis da rede Titanic, o Mitte. Escolhemos esse pela localização estratégica. Apesar de termos chegado bem tarde ao hotel, ficamos sabendo que no dia seguinte teria um show do cantor Justin Bieber na Mercedes-Bens  Arena, e como a Mariangela, minha amiga, é fã ainda fomos pesquisar uma forma de adquirir os bilhetes antes de dormir. Não tivemos muito sucesso de compra-los pela internet e achamos melhor ir direto ao local no dia seguinte tentar comprar na bilheteria.
Acordamos bem cedo, tomamos café (que neste hotel era muito bom), e fomos direto ao estádio comprar os ingressos do show. A porta estava lotada de adolescentes já à espera do show que aconteceria à noite, mas a bilheteria estava bem vazia e a compra foi muito fácil. De lá resolvemos caminhar ao longo do rio Spree até o East Side Gallery, que é uma parte preservada do Muro de Berlim que sofreu a intervenção de alguns artistas plásticos e hoje é um ponto de visitação. Logo ao lado existe um pequeno museu que conta a história do muro. Em poucas palavras o Muro de Berlim foi construído durante a Guerra Fria pela República Democrática Alemã (Alemanha Oriental) para separar a Berlim Capitalista da Comunista. Com uma extensão de 156 km, possuía 302 torres de observação para evitar a migração de um lado para o outro do muro. O único ponto de travessia, seja para estrangeiros, seja para membros das forças aliadas era o Checkpoint Charlie. Mantiveram este local como ponto de visitação e ainda hoje alguns "atores" vestidos de guarda ficam ali para tirar fotos com turistas em troca de alguma gorjeta.

Mercedes Benz Arena



East Side Gallery


Controversa pintura no muro de Berlim


Após a visita ao East Side Gallary, pegamos um trem até a praça Alexander Platz, a maior praça de Berlim onde se converge as principais linhas do transporte público (trem, tram, metro, ônibus) e é um importante centro comercial com grande lojas de departamento como a Pricemark e Saturn e várias cadeias de fast food como Burger King, Mc Donalds, Subway e KFC. A Alexander Platz, carinhosamente chamada pelos Berlinenses por Alex, é considerada por muitos o centro de Berlim e abriga também o relógio mundial, que mostra as horas de várias cidades do mundo. Nesta praça também está localizada a Torre de TV. Com 368 metros de altura é a mais alta construção européia e   pode ser vista de vários pontos de Berlim. É possível subir na torre até a parte circular que possui 203 metros de altura e onde encontra-se um restaurante. Você pode comprar um bilhete para subir a torre ou fazer uma reserva para o restaurante e subir de graça. Foi nessa praça que provei a melhor salsicha da minha vida na Currywurst Express. É uma cadeia de lanchonete que se pode encontrar em vários pontos de Berlim. Essa fica logo na saída da estação de trem ao lado do Mc Donald's. Quem curte aquelas lojas de departamento monstruosas que possuem mercadorias a preço de banana, sugiro separar umas horas para ficar na Pricemark de Alexander Platz. Os preços são realmente incríveis. Como a indústria da moda está sempre mais focada no universo feminino, as mulheres possuem uns 3 andares só para elas enquanto nós homens temos um andar no sub solo e ainda assim dividido com a seção infantil... 




foto relogio alexanderplatz, da praça e da torre de tv

Depois de algumas horas batendo perna pela Alexander Platz e suas respectivas lojas fomos para o hotel tomar banho e nos preparar para assistir Mr Justin Bieber. O que tenho a dizer do show? Fiquei imensamente decepcionado em saber que um cantor jovem como o Justin utiliza de playback a maior parte do show e sem nenhum pudor em esconder a utilização desse recurso... No mais um monte de fãs histéricos cantando todas as músicas como se é de esperar em qualquer show dessa natureza. A produção é muito bacana e ele está em uma fase mais madura e com músicas interessantes... Voltaria? Não.

Justin Performance


No outro dia eu tinha uma reserva para subir à cúpula do Parlamento Alemão, o Reichstag. Para visitar o local é preciso fazer uma reserva com pelo menos 2 dias de antecedência pelo site do parlamento . Mariangela por não ter feito reserva antecipada, não conseguiu entrar.  Também é possível assistir uma sessão no Parlamento, porém só é possível marcar uma vez por mês. Infelizmente as datas que eu estava na cidade não coincidiram. A visita ao Reichstag é imperdível e logo na estrada da cúpula existem audioguias gratuitos que explicam, também em português, um pouco da história deste importante edifício que foi inaugurado em 1894 no estilo neo-renascentista. Um dos importantes fatos associados a esse edifício está a Proclamação da República em 1918. Da cúpula feita totalmente de vidro tem-se uma vista privilegiada da cidade de Berlim. 


Fachada do Parlamento


Cúpula do Parlamento



Dentro da cúpula



Dentro da Cúpula

Depois da visita ao Parlamento fomos caminhando visitar o icônico Portão de Brandemburgo, que fica bem próximo. Um dos pontos turísticos mais visitados e conhecidos da Alemanha, teve sua construção ordenada pelo rei da Prússia Friedrich Wilhelm II e somente os soldados da Alemanha Oriental que faziam a patrulha do muro de Berlim que passava logo à frente, podiam se aproximar do portão. Assim. durante quase 30 anos, o Portão de Brandemburgo marcou a divisão da Alemanha entre Oriental e Ocidental, mas desde a queda do muro em 1989, época em que o portão foi reaberto, ele se tornou o símbolo da união Alemã. 

Portão Brandemburgo


Como Berlim é uma cidade de grandes dimensões, resolvemos após a visita ao Portão de Brandemburgo comprar um ticket do Sightseeing Berlim, que são aqueles ônibus de dois andares que fazem um tour pelos pontos turísticos da cidade e você pode descer e subir em qualquer uma das paradas. O ticket custa 15 euros e vale para o dia inteiro. Existe uma parada logo atrás do Portão e lá mesmo embarcamos. Você pode usar seu próprio fone de ouvido para escutar as instruções (também em português), ou comprar um com o motorista por 5 euros. A primeira parada que resolvemos descer do ônibus foi onde fica localizada a famosa igreja Keiser. Essa igreja é bem procurada pelos turistas por ter sido destruída em quase sua totalidade durante a segunda guerra mundial. Das 5 torres que possuía originalmente, só resta uma e esta igreja não foi restaurada propositalmente para que possa ser lembrada pelos horrores da guerra. A parte interna ainda está preservada e é possível se encantar com aos lindos mosaicos que revestem paredes e teto. Uma nova igreja, mais moderna, porém não menos bonita foi construída e inaugurada em 1961 bem ao lado da Keiser. Com um formato octagonal, todo o fundo é composto por mais de 20.000 blocos de vidros azuis  que dá um efeito e uma luminosidade toda especial para o ambiente. 

Igreja Keiser



Mosaico teto da Igreja Keiser






Interior nova Igreja

Esta região onde a igreja Keiser está localizada, tem um perfil bem comercial com algumas das mais importantes cadeias varejistas. Quem gosta de comprar marcas de luxo recomendo que caminhe por 3 quadras pela avenida Tauentzienstrabe, até a famosa loja de departamentos KaDeWe. Este é o templo das lojas de griffe da cidade de Berlim. Outra dica preciosa é um restaurante italiano que fica em uma das travessas da mesma avenida Tauentzienstrabe. Não sei dizer ao certo se é na rua Nuremberger ou na Marburger, mas fica no meio do quarteirão. O  restaurante é bem pequeno e o proprietário, que é  italiano, é quem prepara os pratos na hora. A comida é deliciosa!

Voltamos ao nosso ônibus para continuar o city tour. O próximo local que resolvemos descer foi o memorial do Holocausto que é um espaço dedicado aos judeus mortos na Europa. O memorial consiste em 2711 blocos de concreto, com comprimento e largura padrão (2,38m x 0,95m), porém com alturas diferentes que variam de 0,2m até 4,8m. Assentados em um terreno ondulado, caminhar entre os blocos dá uma sensação de instabilidade que foi exatamente o propósito do arquiteto que o planejou. Na parte subterrânea do memorial há uma espécie de museu que dá mais informações sobre a perseguição e o extermínio dos judeus. A entrada é gratuita. 

Memorial


Memorial


Através do city tour, percebemos que haviam várias atrações próximas ao memorial (que só depois fomos descobrir que está bem ao lado do Portão de Brandemburgo) e por isso resolvemos explorar a região a pé. Seguimos a própria rua do memorial de nome Franzosische até a famosa avenida Friedrichstrabe, que é famosa por ser a rua que concentra muitas lojas de griffe além de ser a rua do Checkpoint Charlie, que já mencionei acima como o único ponto de travessia entre a Berlim Oriental e Ocidental. Continuando pela Friedrichstrabe chegamos à bela praça Gendarmenmarkt. Considerada pelos berlinenses a praça mais bonita da cidade ela abriga 3 lindos edifícios: A Catedral Francesa à direita, a Catedral Alemã à esquerda e a Casa de Consertos ao centro.Várias óperas podem ser vistas na Casa de Consertos, mas como eu não me programei para isto no meu roteiro e por isso não comprei os bilhetes acabei perdendo a oportunidade. Certamente voltando a Berlim me programarei para isso, porque deve ser uma experiência fantástica!

Sala de Consertos




Depois da Praça Gendarmenmakt desça em direção à avenida mais importante e, na minha opinião, a mais incrível de Berlin: a Unter den Linden. Esta é a avenida que liga o Portão de Brandenburgo (olha ele aqui de novo), à Alexander Platz (apesar de mudar de nome após a ponte do palácio). Além de várias lojas, cafés e restaurantes essa avenida possui maravilhosos  e importantes edifícios como a Ópera de Berlim, a Universidade Humboldt (datada de 1810), a Biblioteca do Estado dentre outros. Nesta mesma avenida no meio da Ilha dos Museus (onde há uma bifurcação do rio Spree), está, no meu ponto de vista, a atração mais espetacular: a Catedral de Berlim! Linda, mas linda mesmo, eu fiquei bem impressionado quando a vi. Seus 114 metros de comprimento e 116 metros de altura faz com que os olhares de todos percorram toda sua extensão. Por 7 euros você pode entrar na catedral, visitar o terraço que circula as cúpulas e ainda visitar as catacumbas  com vários túmulos de pessoas que marcaram a história da cidade.










EM CONSTRUÇÃO
   

Nenhum comentário:

Postar um comentário